Culinária Roraimense




Diversificada, natural e saborosa. Assim pode ser definida a culinária roraimense. O cardápio mistura frutas regionais, a interferência dos migrantes que acolheram Roraima como sua segunda terra (nordestinos, sulistas, matogrossenses) e, é claro, a influência indígena, com suas ervas, raízes e misturas exóticas.

O passo-a-passo de uma alimentação roraimense:

O Café-da-manhã | O almoço | Os sucos
O Café-da-manhã


O dia amanhece em Roraima e é hora de um café-da-manhã reforçado. A especialidade local são os derivados da macaxeira ou mandioca. Aqui,o destaque é a tapioca. Feita de goma de macaxeira, a iguaria é redonda, fina e muito saborosa. Pode ser degustada com sal, acompanhada de manteiga e queijo, ou doce, banhada em leite de coco.

A farinha de tapioca , que tem a aparência de pequenos grão, branca e crocante, é outra delícia regional. Também feita de mandoca, a farinha é assada em fornos especiais feitos pelos caboclos do interior do Estado. Ela pode ser servida com leite ou café com leite.

Que tal um pé-de-moleque? Ele é feito de carimã da mandioca. Só para esclarecer, o carimã é um derivado da farinha de tapioca, só que bem finininho, como a farinha de trigo. O pé-de-moleque é resultado de uma mistura de açúcar, ovos, manteiga, sal, cravo, erva-doce. A massa preparada é enrolada em folha de bananeira e levada ao forno para assar. Depois de pronta, pode ser acompanhada de café.

Outra delícia é o bolo de macaxeira, preparado da massa de macaxeira, açúcar, cravo, ovos, manteiga, leite condensado e coco ralado. Todos os ingredientes são misturados, colocados numa forma untada e levado ao forno. Tem também o cuscuz feito de milharina com coco fresco e ralado, açúcar, sal e água, tudo misturado e cozido.

O almoço

A cozinha roraimense oferece um cardápio variado para um belo almoço. Só depende do gosto de cada um. Acompanhe!

Uma das delícias é a damorida, originário da culinária indígena. É um peixe moqueado (assado como um espetinho), depois regado um caldo de folhas de pimenta malagueta e jiquitaia, que é uma farinha de pimentas moídas.

Para os marinheiros de primeira viagem é bom avisar: Como o prato é bem apimentado, ao ser ingerido dá um certo ardor na boca, que só quem é acostumado, como os índios, que bebem desde pequenos, agüenta! O prato é preferencialmente encontrado em malocas e não em restaurantes.

Quem resiste a este outro prato saboroso da culinária roraimense? É o chibé com carne assada, que é a carne de sol assada na brasa acompanhada de um prato de farinha com água (pirão).

A caldeirada também é imperdível, o peixe é limpo e cortado em pedaços, colocado numa panela com água e temperado com cebola, tomate, pimentão e cheiro verde, a pimenta ardosa é optativa, é servida com pirão feito do próprio caldo com farinha de mandioca.

O guisado de galinha caipira é outra especialidade, é preparado com galinha cortada em pedaços e óleo, cebola, alho, pimenta do reino, pimenta cheirosa, tomate, sal, cheiro verde, colorau, é acompanhado de pirão feito com o próprio caldo.

Para uma viagem, a comida indicada pelos roraimenses é a paçoca com banana. Feita com a mistura de farinha, banana e carne de sol ou charque (carne seca bem salgada) e batida no pilão. A comida conserva-se por muitos dias fora da geladeira. pratos são facilmente encontrados em restaurantes e lanchonetes.


Os sucos

No intervalo das refeições ou mesmo para acompanhá-las a sugestão é um dos sucos das frutas tipicamente amazônicas como o cupuaçu, a graviola, o buriti e o açaí. Para recuperar as energias a dica é o guaraná que pode ser bebido puro ou misturado com castanhas, amendoim, acerola e outras frutas. Existe também o vinho do buriti, preparado da fruta de buriti madura e limpa, pode ser tomado naturalmente ou gelado e acompanhado da farinha de mandioca.